12/07/2017

6.780.(12jul2017.7.7') Ernesto Korrodi

Nasceu a 30jan1870 (Zurique)
Morreu 3fev1944 (Leiria)
***
As minha fotos (26jun2017) do prédio Korrodi da Benedita
Já alertámos há muito ano para a aquisição deste valioso edifício
Foto de Rogério Manuel Madeira Raimundo.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10212053515884637&set=pb.1576428905.-2207520000.1499852914.&type=3&theater
Foto de Rogério Manuel Madeira Raimundo.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10212053515804635&set=pb.1576428905.-2207520000.1499852914.&type=3&theater
***
A sua iniciação maçónica deu-se em 1908, na loja Trindade Leitão, de Alcobaça. Daí transitou para a loja Gomes Freire, em Leiria.
Adoptou o nome simbólico de Helvécio.
Fonte: A. H. de Oliveira Marques (1986), Dicionário de Maçonaria Portuguesa, volume II, Editorial Delta, cols. 821-2
http://segredossegregadosemsegredo.blogs.sapo.pt/31266.html
***
Roteiro da Cidade de Leiria
http://www.cm-leiria.pt/uploads/document/file/4029/Ernesto_Korrodi_-_Roteiro_na_cidade_de_Leiria.pdf
*
16jun2004
1 belo trabalho do tinta fresca:
http://www.tintafresca.net/News/newsdetail.aspx?news=bd5eb2b4-59b3-4b8c-a6c8-d5e4e89fdeec&edition=44
No âmbito do EURO 2004
    Roteiro Korrodi apresentado em Leiria
    Ernesto Korrodi 

    A Região de Turismo de Leiria-Fátima, o CEPAE, a ADLEI, a Ordem dos Arquitectos e a Câmara de Leiria apresentaram, no dia 11 de Junho, um roteiro  dedicada à obra de Ernesto Korrodi (1870-1944) em Leiria. A vinda dos jornalistas e adeptos suíços ao jogo Suíça-Croácia foi o pretexto para a edição deste guia trilingue que visa divulgar a obra do prestigiado arquitecto suíço radicado em Leiria. Korrodi deixou cerca de 400 obras em Portugal, entre as quais dois prémios Valmor.
    Na apresentação do roteiro marcaram presença Vítor Lourenço, vereador da Cultura da Câmara Municipal de Leiria, Miguel Sousinha, presidente da Região de Turismo de Leiria-Fátima, Pedro Biscaia, presidente da ADLEI (Associação para o Desenvolvimento de Leiria), Acácio de Sousa, presidente do CEPAE (Centro do Património de Leiria), Rui Ribeiro, presidente do Núcleo Distrital de Leiria da Ordem dos Arquitectos e a historiadora Maria Genoveva Oliveira, a preparar actualmente uma tese de mestrado sobre Ernesto Korrodi, a quem coube apresentar a obra.
     Banco de Portugal

    O roteiro de bolso em Português, Inglês e Francês inclui um mapa com o percurso pelas mais emblemáticas das obras de Ernesto Korrodi em Leiria, como a Villa Hortênsia (casa onde o arquitecto viveu), o Convento de S. Francisco, a Casa do Arco, o Edifício Zúquete, o Banco de Portugal, os Paços do Concelho, o Mercado de Sant"Ana e o castelo de Leiria. O guia contém ainda referências  a outros edifícios da Região de Turismo Leiria-Fátima, como o castelo de Ourém ou o Teatro Chaby Pinheiro, na Nazaré, contendo também um breve resumo histórico de cada obra. 

    Pedro Biscaia: Ernesto Korrodi foi um cidadão exemplar

    Para Pedro Biscaia, a ideia subjacente à edição deste roteiro é a valorização do que é distintivo no património, não só de Leiria, mas de toda a região. A intervenção de Ernesto Korrodi é um importante ícone para cativar o turismo cultural cujo público-alvo tanto podem ser as pessoas que se interessam por arte e arquitectura, como o estudante que quer fazer um trabalho, ou o turista acidental que tem algo para de diferente ver em Leiria. O presidente da ADLEI lembra também a importância deste roteiro para os próprios leirienses, pois muitos deles passam pelos edifícios e não sabem que foram projectados por Ernesto Korrodi.
     Pedro Biscaia, presidente da ADLEI
    Korrodi foi importante não apenas como arquitecto, mas na sua vida cívica, tendo sido um dos grandes lutadores pelo descanso semanal ao domingo, na altura da República, um homem de uma grande modernidade e com uma atitude cívica muito importante. Por isso, Korrodi pode ser um pretexto para se fazerem coisas boas em Leiria e lembra, a este propósito, que a Junta de Freguesia instituiu também o Prémio Korrodi para a reabilitação urbana.
    Pedro Biscaia reconhece que o EURO 2004 foi importante para Leiria porque serviu de catalisador para muitas obras na cidade, "pequenos pormenores que fazem a cidade" há muito reclamadas pela sociedade civil e agora feitas de uma vez só, "o que demonstra que era fácil e possível fazê-las. Hoje a cidade está mais bonita, o que mostra que as reivindicações da ADLEI eram justas".

    Rui Ribeiro: património de Korrodi em Leiria continua em risco
     Rui Ribeiro, presidente do Núcleo de Leiria da Ordem dos Arquitectos

    Segundo Rui Ribeiro, a ideia deste roteiro visa dar maior visibilidade à obra de Ernesto Korrodi, dotando a cidade de Leiria de um documento que faça com que as pessoas possam percorrer os principais pontos da cidade pontuados pela obra do arquitecto. Assim, as pessoas poderão simultaneamente passear na cidade e conhecer a obra de Ernesto Korrodi, um dos expoentes da Arte Nova em Portugal. Em 1910, recebeu o Prémio Valmor pelo prédio da Avenida Fontes Pereira de Melo onde se encontra actualmente o Teatro Villaret e, em 1917, o mesmo galardão pelo prédio do nº 5 da Rua Viriato, ambos em Lisboa.
    O presidente da Ordem dos Arquitectos de Leiria considera, todavia, que subsistem bastantes edifícios projectados por Korrodi em risco em Leiria, embora ressalve que os problemas arquitectónicos da cidade sejam os mesmos do resto do País. Rui Ribeiro refere, no entanto, que há regiões em que o património edificado de Korrodi está mais bem preservado que em Leiria. Os problemas do património edificado por Korrodi afectam não apenas edifícios particulares, mas também públicos, incluindo alguns propriedade do Poder Central, "completamente votados ao abandono".
    O Castelo de Leiria foi um dos monumentos cuja recuperação Ernesto Korrodi mais defendeu durante décadas, tendo fundado a Liga dos Amigos do Castelo, em 1915, associação que conseguiu iniciar a recuperação do monumento já nos anos 20 e 30. O monumento, classificado como Património Nacional em 1910, deverá sofrer proximamente uma intervenção a cargo da Direcção-Geral dos Monumentos Nacionais, ainda está em fase de apresentação de estudos. Rui Ribeiro adianta que já houve sessões públicas de apresentação de estudos prévios sobre o castelo, esperando-se apresentações mais formais e completas da intervenção num futuro próximo.
    Miguel Korrodi: um apaixonado pelo obra do bisavô
     Miguel Korrodi

    Miguel Korrodi, por sua vez, admite que a sua ideia original era fazer um roteiro de âmbito nacional com a obra do arquitecto suíço, mas a vinda dos jornalistas suíços levou a esta solução de âmbito local. O bisneto de Ernesto Korrodi esclarece que o espólio existente no ateliê do arquitecto foi entregue ao Arquivo Distrital de Leiria e que todo o arquivo da secção de obras da Câmara Municipal de Leiria está no arquivo da Câmara Municipal, nomeadamente, na Biblioteca Afonso Lopes Vieira.
    A preservação estará, assim, assegurada, permitindo desenvolver investigação, nomeadamente, a que serviu para elaborar este roteiro e para a tese de mestrado desenvolvida em 1984 por Lucília Verdelho da Costa, publicada em livro em 1997, que veio dar a conhecer muita da obra de Korrodi.
    Miguel Korrodi lembra que muita gente ainda hoje pensa que Ernesto Korrodi foi apenas o autor da reconstrução do castelo de Leiria ou o responsável pelo edifício do Banco de Portugal, dos Paços do Concelho ou do Mercado Sant"Ana, o que revela um desconhecimento total sobre o elevado número de casas privadas projectadas pelo seu bisavô. Aliás, Miguel Korrodi que é engenheiro de máquinas, vive há cerca de um ano na casa onde o bisavô também viveu, a Villa Hortênsia, que sofreu obras de recuperação durante 4 anos.
    O bisneto de Ernesto Korrodi espera que a edição deste roteiro contribua para que as pessoas se empenhem mais na preservação destas casas: "Korrodi lutou muito para proteger o património nacional em várias cidades do País, e hoje, quase 100 anos volvidos, compete às novas gerações esforçarem-se por preservar o património arquitectónico que ele desenvolveu", concluiu.
    Vítor Lourenço: Cultura e desporto não devem
    ser mundos separados

     Apresentação do roteiro de Ernesto Korrodi

    O vereador da Cultura da Câmara Municipal de Leiria referiu ao Tinta Fresca que a edição deste roteiro cultural no âmbito do EURO 2004 representa mais uma das apostas da autarquia em juntar Cultura e desporto, dois mundos considerados, muitas vezes, separados e até antagónicos. Vítor Lourenço rejeita, todavia, essa separação considerando que Cultura engloba todas as manifestações do ser humano, individual e colectivamente considerados.
    O EURO 2004 representa também uma oportunidade para democratizar a Cultura. Daí que Vítor Lourenço destaque os espectáculos de teatro de rua realizados a 8 e 9 de Junho, que considerou de grande qualidade e participados por toda a população: "Aproveitámos o EURO 2004 para proporcionar às pessoas que nos visitam momentos de lazer, mas também de enriquecimento cultural, com as artes, os espectáculos, as exposições ou as obras editadas. Queremos dar a imagem de uma terra preparada para receber e enviar para fora a imagem de uma sociedade equilibrada, socialmente justa e culturalmente rica", explicou o autarca.
    Biografia
    Ernesto Korrodi nasceu em Zurique, em 1870, e o seu apelido deriva do nome “Konrad”.Concluiu muito novo o ensino primário e secundário e ingressou na Escola de Arte Industrial onde obteve o diploma no final de 1888, interessando-se, desde logo, pela Arqueologia. Concorreu a um cargo para professor de Desenho, anunciado no consulado de Portugal em Berna, e em 1889 foi colocado na Escola Industrial de Braga onde permaneceu cinco anos.
     Em Braga, para além do ensino, dedicou-se ao estudo de monumentos, igrejas, e palácios, sendo transferido, em 1894, para a Escola Industrial de Leiria onde, de imediato, se dedicou nas suas horas vagas, ao minucioso levantamento do que restava das ruínas do Castelo. Em 1898, publica os Estudos de Reconstrução sobre o Castelo de Leiria, edição de 200 exemplares, subsidiada pelo Governo Português e impressa no Instituto Poligráfico de Zurique. Ainda nesse ano é homenageado com a Comenda do Mérito Industrial.
     Em 1901, casa em Leiria com Quitéria Maia, professora do ensino primário, e vêm a ter 2 filhos. Em 1902, é agraciado com a Ordem de S. Thiago do Mérito Científico, Literário, e Artístico pelo projecto de reconstituição dos Paços do Duque de Bragança, em Barcelos. O seu empenho em defesa do Castelo de Leiria conduziu à sua classificação como Monumento Nacional em 1910 e em 1915, cria a Liga dos Amigos do Castelo que, com a ajuda do Estado, deu início às primeiras obras de consolidação. Os trabalhos continuaram sob a sua orientação até 1933, passando depois para a responsabilidade da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.
     Em 1905, foi nomeado director da Escola Industrial de Leiria. Para além do ensino e do estudo de monumentos históricos, desde cedo se dedicou à arquitectura, como autodidacta, e em 1899 já era sócio da Real Associação dos Arquitectos e Arqueólogos, bem como da Associação dos Engenheiros Civis Portugueses.   Os seus projectos de arquitectura estendem-se por todo o país, desde Chaves até Vila Real de Santo António, e em Lisboa foi agraciado com dois Prémios Valmor, em 1910 e em 1917.
      Criou em Leiria uma pequena escola de cantaria artística, a expensas suas, e esta viria a transformar-se numa grande oficina de verdadeiros artistas cujo trabalho, na sua maior parte, era passado à pedra sob modelação sua. Esses trabalhos de cantaria enriqueceram não só as obras por si projectadas, como as de outros arquitectos por todo o país. Em 1926, foi-lhe concedido pelo Governo Português, o título de Arquitecto.
     Desde cedo se envolveu em diversos movimentos de modernização, chegando a realizar trabalhos e conferências por todo o país sobre o Ensino em Portugal, pelo que foi agraciado, em 1909, com  a Comenda da Instrução Pública.  Em 1911, viria a liderar um movimento de âmbito nacional a favor do descanso dominical, promovendo-o energicamente através de conferências e artigos na imprensa. Ernesto Korrodi faleceu em Leiria, em 1944, sendo sepultado voltado para o Castelo, como era seu desejo.
     Em 1970, no centenário do seu nascimento, foi eleito a título póstumo, cidadão honorário do Concelho pela Câmara Municipal de Leiria e foi-lhe descerrado um monumento no sopé do castelo, na avenida com o seu nome. Em 1997, foi publicada em livro a Tese de Mestrado Ernesto Korrodi – Arquitectura, Ensino, e Restauro do Património, de Lucília Verdelho da Costa, contribuindo de uma forma decisiva para dar a conhecer a dimensão da sua obra.
     Em 2000, a Câmara Municipal de Braga atribui o seu nome a uma rua e apresentou a sua biografia no guia Braga Cultural.  Em 2003, foi criado em Leiria o Prémio Korrodi destinado a dinamizar a preservação e reabilitação de imóveis degradados e contribuindo, ao mesmo tempo, para homenagear a sua obra.

              Mário Lopes
    ***
    Tese de Mestrado de Regina Margarida Santos

    Resumo:Todo o cidadão possui muitas relações com algumas partes da sua cidade e a sua imagem está impregnada de memórias e significações.”1 Ao percorrer Leiria, deparamos-mos com diversos elementos físicos que se destacam na imagem da cidade, pela sua presença urbana. A cidade é povoada por diversos edifícios significativos, caracterizados pelo seu desenho arquitectónico que tiveram um determinado autor, tempo, e espaço de concretização. No entanto, muitas vezes, os edifícios que nos despertam a atenção são ao mesmo tempo identidades desconhecidas, das quais não temos qualquer informação ou conhecimento relativos a quem os projectou. Apesar da diferente percepção de cada indivíduo, alguns desses elementos acabam por marcar a imagem e consequente identidade da cidade. Actualmente, ao recordar Leiria, a primeira imagem que nos surge é a do paço acastelado no alto do morro. Mas este castelo nem sempre apresentou a imagem que tem hoje e, até à sua reconstrução no início do século XX, apresentava-se em ruínas. Ernesto Korrodi «[…] foi o grande responsável pela imagem de Leiria, ao fixar, idealmente, a reconstituição das ruínas do seu castelo.»2 Mas a sua intervenção na cidade não se limitou aos estudos histórico-arqueológicos do castelo. Ernesto Korrodi (1870-1944), que veio para Leiria como professor de desenho, rapidamente propagou a sua tendência artística na actividade de architecto construtor.3 Foi como arquitecto que marcou a imagem da cidade de Leiria do início do século XX, com obras em que é possível reconhecer um estilo arquitectónico próprio, que se destaca no gosto revivalista da época. Além de realizar alguns dos mais relevantes edifícios públicos de Leiria, «seria essencialmente nos seus projectos para casas de habitação e prédios de rendimento que Korrodi, como arquitecto desse tempo, melhor o soube interpretar e definir.»4 Este trabalho tem como principal objectivo a análise do estilo arquitectónico do arquitecto Ernesto Korrodi, através dos projectos de habitações de modo a compreender a evolução e maturidade do seu estilo. Para tal, estabelecemos a cidade de Leiria como espaço físico de concretização desses projectos e a habitação como programa que consolida o tecido urbano. «A casa é um documento autêntico da vida do homem – documento de pedra e cal, mas de extraordinária importância para estudarmos os costumes, a evolução do gosto e da vida social.»5 Procuramos encontrar e definir as principais zonas de intervenção onde se inserem essas habitações; seguindo-se uma análise das diferentes tipologias habitacionais e o seu enquadramento no tecido urbano. Não sendo possível uma análise exaustiva de todas as obras, para os casos de estudo, escolhemos exemplos que representem as diferentes características tipológicas e de enquadramento. A sua escolha prende-se ainda com aquelas que, pelo seu carácter estilístico, melhor caracterizam a evolução do estilo pessoal do arquitecto. Assim, apresentam-se as habitações que, pelo seu valor artístico, têm impacto visual quando percorremos a cidade. No entanto, não pretende ser um trabalho monográfico com uma descrição histórica exaustiva de cada habitação, e muito menos a história genealógica dos seus habitantes, mas sim uma análise do estilo arquitectónico do edifício e a sua relação com a cidade. Para tal, recorreu-se essencialmente aos seus projectos, pois «se os projectos mais significativos de Korrodi foram quase sempre alterados por razões que o ultrapassavam, é sobretudo aí, mais do que nos edifícios construídos, que devemos procurar inferir o seu estilo pessoal.»6 A investigação iniciou-se com a pesquisa da bibliografia existente sobre a vida e obra do arquitecto Ernesto Korrodi. O primeiro reconhecimento e identificação dos edifícios da autoria de Korrodi na cidade de Leiria deveu-se à obra de Genoveva Oliveira – Ernesto Korrodi: Roteiro na Cidade de Leiria (2010). Consiste num roteiro que circunscreve os principais edifícios na cidade, permite ter um conhecimento geral daquilo que foi a intervenção de Korrodi e facilita a sua identificação in situ. Mas apresenta uma determinada lacuna de informação arquitectónica sobre a maioria dos edifícios de habitação. O principal estudo divulgado sobre o arquitecto Ernesto Korrodi é da autoria de Lucília Verdelho da Costa – Ernesto Korrodi: 1889-1994: arquitectura, ensino e restauro do património (1997), e diz respeito, sobretudo, a questões relacionadas com os estudos histórico-arqueológicos do castelo e com o seu percurso como professor, fazendo referência a alguns aos projectos de arquitectura. Foi esta obra que muito auxiliou a elaboração deste estudo, e na qual nos apoiamos para melhor descrever o percurso artístico de Korrodi. Quanto à estruturação desta dissertação, compõe-se por três momentos distintos mas sequenciados: o arquitecto, o lugar e a obra. Num primeiro capítulo dedicado ao arquitecto Ernesto Korrodi, apresentamos o seu percurso artístico antes de se dedicar à actividade de arquitecto, referindo a sua actividade enquanto professor e os estudos histórico-arqueológicos. Para tal, faremos um pequeno enquadramento respectivamente da situação do ensino em Portugal, que justificou a vinda de Korrodi para o nosso país; e da situação do património arquitectónico no panorama português, que fundamentou as suas intervenções. Relativamente à arquitectura, apresentamos em primeiro o panorama artístico nos finais do século XIX e início do século XX, que transitava dos revivalismos para o modernismo através da Arte Nova. Partindo do contexto europeu, centramo-nos na situação portuguesa, na qual se enquadra a obra de Korrodi. É no termo deste capítulo que apresentamos o percurso arquitectónico de Korrodi. Indicamse as influências e principais particularidades do seu estilo arquitectónico. Focando a questão da habitação apresenta-se a evolução da linguagem decorativa, que caracterizou a sua obra. O segundo capítulo prende-se com a cidade de Leria, de modo a contextualizar o espaço físico, cenário das diversas intervenções de Korrodi. Baseámos a pesquisa na bibliografia existente sobre a história e morfologia da cidade. Assim apresenta-se um contexto histórico da cidade, a partir do qual nos centramos na época em estudo, caracterizada pela expansão e adensamento do tecido urbano. Apresentamos ainda o impacto que a obra de Korrodi teve na imagem da cidade de Leiria. O terceiro capítulo é finalmente dedicado à questão da habitação urbana que nos finais do século XIX ainda era predominantemente constituída pela moradia unifamiliar. Apresentamos a casa burguesa como o espaço doméstico que caracteriza a habitação urbana, a qual desenha a cidade. Assim, descrevemos a evolução da habitação na cidade de Leiria, centrando depois o estudo nos projectos realizados por Korrodi. Primeiro identificam-se as principais zonas da cidade onde se localizam essas habitações. Referimo-nos também aos projectos que consistiram em alterações e ampliações do edificado existente. Seguidamente, no que concerne aos projectos para novas habitações apresentam-se as tipologias realizadas, o seu enquadramento urbano e relação com o espaço público. Neste último ponto, analisam-se os casos de estudo que consideramos melhor representarem a evolução da linguagem decorativa e que demonstraram ter um maior impacto visual, destacando-se na imagem da cidade. Deste modo, dá-se especial destaque à habitação unifamiliar, apresentando os exemplos mais representativos de moradias isoladas e moradias em banda. Sem querer expandir muito o programa habitacional plurifamiliar, centramos a sua análise no desenho das fachadas. Procuramos apresentar uma série de elementos particulares – como o padrão dos azulejos, as cantarias e o desenho de gradeamentos – constantes nas obras e que permitem facilmente identificar e reconhecer um edifício da autoria dA recolha de informação gráfica, relativa aos projectos das habitações teve por base várias fontes. Em primeiro o Fundo Pessoal Ernesto Korrodi, disponível no Arquivo Distrital de Leiria (ADLRA). Nele se encontra o espólio do arquitecto, doado pelos seus herdeiros ao ADLRA, composto por diversos tipos de documentação relativos à vida pessoal e profissional do arquitecto e do qual faz parte «um vasto número de projectos e plantas arquitectónicos não só da região de Leiria, mas de todo o território nacional».7 A partir da secção relativa aos projectos de arquitectura realizados na cidade de Leiria restringimo-nos aos projectos de habitação. De seguida, os processos do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Leiria (CML), tendonos sido informado que abrangiam todos os projectos aprovados pela CML. O conjunto é constituído por um grande número de processos, dos quais fazem parte não só os projectos originais, mas também os processos relativos a alterações e remodelações. No entanto, em alguns casos, após pesquisa in situ não conseguimos encontrar a concretização física desses projectos; o que nos leva a concluir que no decorrer do tempo poderão ter sido profundamente alterados, demolidos, ou que não tenham sido construídos. Estes dois espólios complementam-se numa imensa documentação que traduz a intensa actividade arquitectónica de Korrodi. Ainda assim, ao consultar o Inventário do Património Arquitectónico do SIPA relativo ao edificado na cidade de Leiria, deparamo-nos com mais edifícios que estão indicados como sendo da autoria de Ernesto Korrodi e que excedem o conjunto formado pelas fontes acima referidas. Destas habitações, desconhecemos a localização da informação relativa à documentação gráfica. Com o decorrer da pesquisa, deparamo-nos com um grande número de projectos de habitações realizados pelo arquitecto. Na impossibilidade de numa dissertação de mestrado apresentar e desenvolver toda a documentação recolhida, achamos por bem não a manter oculta, mas antes divulgála através da criação de um catálogo. Apesar de não ser o objectivo primeiro desta dissertação, esta documentação serviu de base para o seu desenvolvimento. Em anexo encontra-se o catálogo com a listagem de projectos relativos a habitações que identificamos como sendo traçados por Korrodi para a cidade de Leiria - Lista das habitações identificadas em Leiria, da autoria de Ernesto Korrodi. Apesar de apresentar um número considerável de obras, admitimos que não é uma lista exaustiva e terá, como em todas as obras deste género, algumas falhas. Pretende-se com esta lista iniciar uma base de dados, que permitirá o futuro desenvolvimento de estudos mais aprofundados. Numa segunda parte do catálogo apresentam-se fichas relativas às obras mais significativas do arquitecto, que incluem a diversa informação recolhida referente a cada obra – Fichas individuais das habitações. Nessas fichas, apresentamos a informação gráfica que foi possível recolher e que se considerou relevante, pelo seu valor artístico e por melhor caracterizar o estilo arquitectónico de Korrodi. Com este catálogo, pretende-se ainda dar a conhecer à população em geral e aos leirienses em particular, a extensa obra do arquitecto Ernesto Korrodi, «suíço de nascimento e leiriense por adopção».8 Ao longo do trabalho, quando nos referimos aos projectos incluídos no catálogo indicamos, em nota de rodapé, o número de projecto apresentado no catálogo Anexo [P --], de modo a facilitar a referência à sua consulta. Resta-nos referir que, ao longo deste trabalho, quando nos referimos ao arquitecto Ernesto Korrodi, apenas o apresentamos com o nome de família – Korrodi. Nos casos em que pretendemos referirmo-nos ao seu filho, também arquitecto, utilizamos o nome Camilo Korrodi. Korrodi.
    https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/23319
    ***
    Várias casas no nosso concelho de Alcobaça
    de 1921...Casa "Mariazinha Almeida"...António Almeida - Benedita...R/c tem o restaurante Paraíso e o Supermercado
    Largo Padre António José da Silva
    Rua principal...EN8-6
























    *
    Esta família tb tem jazigo projectado pelo famoso arqueitecto
    ***
    recebeu 2 prémios Valmor
    ***
    A curadora Genevova Oliveira fez palestra a 7.7.2017
    promovida pelo Forum Terra Mágica das Lendas, CRL
    sobre a arquitectura Korrodi