05/07/2017

9.074.(4jul2017.12.12') Comunicados de imprensa CDU jul2017,

Comunicados de imprensa CDU jul2017
***
17julho
NOTA DE IMPRENSA SOBRE  Loja do Cidadão. Obras apressadas e Regadio da Cela/Bárrio
À Comunicação Social
Aos e às Alcobacenses


1.1.A CDU questiona a maioria PSD sobre uma promessa sucessivamente anunciada e nunca executada. Muitos dos serviços da câmara deveriam ser descentralizados para as sedes das freguesias para que os alcobacenses não tivessem de se deslocar à cidade para tratar de assuntos burocráticos. Urge a loja do munícipe, na cidade de Alcobaça, com fácil acesso a todos os serviços da câmara, centralizados, sem necessidade dos alcobacenses andarem de edifício em edifício para tratar de assuntos, com atendimento simpático e eficaz.
1.2. A loja do Cidadão com os serviços de estado centralizados (Segurança Social, Finanças, Registo Civil e Predial…) também foi uma repetida promessa para o super-Festival de Anúncios do PSD.Alcobaça. A CDU considera importante a defesa e modernização dos serviços da Administração Pública, com mais qualidade, mais eficiência e mais próximos das populações, propósito em que ganham natural destaque e evidência as potencialidades e vantagens da instalação de uma Loja do Cidadão no Concelho de Alcobaça. Num concelho com 408,14 km² de área e 56.693 habitantes, é notória a falta da instalação de um equipamento como este, ainda para mais, estando situado no centro do distrito de Leiria, podendo servir concelhos vizinhos.
Defendemos que a Câmara deve exigir junto do estado central este investimento que há muito está prometido e continua adiado, ao mesmo tempo que exige a defesa e reforço dos serviços existentes em todo o concelho, salvaguardando os direitos dos trabalhadores, garantindo um serviço de proximidade das populações, enquadrando a loja do cidadão num planeamento estratégico para os serviços públicos no nosso concelho.

2. A Coligação Democrática Unitária critica há muitos anos a falta de planeamento das obras municipais e defende o Planear com todos. Em ano eleitoral aceleram-se obras sem rei nem roque, apressadamente, ultrapassando todas as boas práticas. Pavimentar ou pintar passadeiras, por exemplo, onde em breve é necessário abrir valas para melhoria do abastecimento de água e de saneamento é gestão danosa que temos de denunciar.


3. Finalmente foi publicado no Diário da República o aviso de concurso para a 1.ª fase da obra do Regadio dos Campos da Cela/Bárrio (e Famalicão da Nazaré). Dos 10 milhões de euros, nesta etapa, estão previstas obras de perto de 4 milhões de euros. Depois de anunciado em 2010 como financiado, veio o governo PSD/CDS cancelar e iludir. Este governo começa, assim, a concretizar um objectivo e uma necessidade dos agricultores regantes deste território, tão produtivo, do nosso concelho.
***
10 de julho
ESCLARECIMENTO DA COLIGAÇÃO DEMOCRÁTICA UNITÁRIA

À Comunicação Social
Aos e às Alcobacenses

Face à apresentação do Cabeça de Lista do Partido Socialista à União de Freguesias de Pataias e Martingança a CDU Alcobaça esclarece:

1 - Rui Coutinho, eleito na Assembleia Municipal como independente, proposto pela CDU, durante os dois últimos mandatos, comunicou a sua renúncia ao mandato no início de maio, bem como a sua indisponibilidade para integrar as listas da CDU.


2 - A CDU é um espaço e uma obra colectiva, independente de interesses pessoais ou económicos, onde os seus candidatos e eleitos assumem o compromisso de servir única e exclusivamente os interesses dos trabalhadores e das populações.
***
7 de julho
NOTA DE IMPRENSA SOBRE A MAGNA CARTA com reivindicações de Alcobaça ao Estado para a envolvente ao Hotel Rachadouro…10 anos da eleição do Mosteiro de Alcobaça com primeira Maravilha de Portugal.

À Comunicação Social
Aos e às Alcobacenses


A CDU há muito que reclama uma magna carta reivindicativa de Alcobaça perante o Estado. Nós sempre estivemos a favor do investimento público no Mosteiro. Só aceitámos o Hotel no Rachadouro, com concessão privada à Visabeiras, na condição do Estado assumir as suas responsabilidades, no Claustro do Cardeal (daqui a 3 anos não pode estar em ruína vergonhosa), do Jardim do Obelisco e fontanários, rede hidráulica na envolvente e dentro do Mosteiro, no antigo pomar, na envolvente à Capela do Desterro e Celeiro…Se o Estado não soube negociar a concessão para Hotel no Rachadouro, não pode ser Alcobaça a perder.
A CDU não aceita que o município assuma investimentos de milhões sem contrapartidas, claras, por parte do Estado Português, e exige um compromisso solene em visita de 1.º ministro, do Chefe do Governo, e com preciso calendário de execução.
A CDU entende que esses grandes objectivos para a cidade e para o Mosteiro não podem ficar na Câmara, na directoria do mosteiro ou na DGPCultural, devem ser debatidos por todos os alcobacenses, que se interessam pelo seu concelho.
Hoje faz 10 anos que o Mosteiro foi eleito 1ª Maravilha de Portugal. Nunca é demais valorizar, igualmente, a importância de Alcobaça na fundação da nossa nacionalidade, na visibilidade da nossa cultura, da arquitectura e da nossa identidade. Lembramos, a propósito, o nosso comunicado de 8 de Fevereiro de 2016
8fev2016
Alcobaça tem de ser o centro do mundo de Cister.
Mosteiro tem muito mais que o Rachadouro para Hotel.
Terra d’ Arte e d’ Artistas.
A fundação da nacionalidade.


A propósito da vinda do Ministro da Cultura a Alcobaça, a CDU renovou as traves mestras do que devemos defender em Alcobaça para o vector estratégico da Cultura.

Tem de ser o Centro do Mundo de Cister. Os Mosteiros de Alcobaça e de Cós só por si revelam essa potencialidade. Falta a estrutura humana competente e motivada para o concretizar.

A Câmara tem de reactivar a Associação de Municípios Portugueses de Cister.

A Câmara pagou um estudo para se poder abrir um concurso para um hotel neste Claustro. Há muito que reclamamos o ABRIR. UNIR.CONSTRUIR. Pressionámos a Câmara a abrir ao debate a estratégia que queremos para Alcobaça e em que o Mosteiro tem um dos papéis mais importantes e agregadores. Não gostámos que os representantes do Estado não reconhecessem o autor do estudo nem quem o pagou. Não queremos é que sejam só anúncios eleitoralistas. A CDU defende e quer obra e iniciativa.

O mosteiro não tem só o Claustro do Rachadouro/Biblioteca em ruínas. Não podemos ignorar o Claustro do Cardeal, a ex-zona do pomar, o jardim do Obelisco, o terreno da ex-serração. Preferimos que o Mosteiro esteja vivo e bem ocupado. A CDU fez propostas para os claustros em ruína e para outras propriedades do Estado que estão abandonadas. A Câmara tem de ser mais exemplar no seu território qualificando-o ao pormenor.

A CDU lembra a importância de se identificar todo o valioso espólio levado do Mosteiro de Alcobaça e de alguma forma, progressivamente, ser trazido para Alcobaça, recreando, copiando, digitalizando e tornando a sua consulta e fácil a sua observação e análise. Legitimar Alcobaça como centro do mundo de Cister.

Temos a Academia de Música e de Dança, temos o Cistermúsica com muita “prata da casa” em músicos e dançarinos.  Temos um movimento associativo forte com 5 bandas filarmónicas, várias orquestras e escolas de música.  Temos várias colectividades de cultura e recreio. Temos 12 ranchos folclóricos. Temos extraordinários músicos e compositores. Temos os The Gift. Temos a ADEPA para o património.  Temos a SAMarionetas. Temos escultores, pintores, designers, fotógrafos e criadores em todas as frentes. Temos escritores, poetas, Feiras do Livro, a bienal de todas as artes Rabiscuits, o Books and Movies, o Alcreative, Casas de Cultura, tertúlias, círculos de leitura e os Amigos das Letras. Temos toda a razão e condições para fazer d’ ALCOBAÇA Terra d’ Arte e d’ Artistas.
Temos que reabrir o extraordinário Armazém das Artes.

A importância de Alcobaça na fundação da nacionalidade também tem de ser evidenciada e trazida, muito mais e  outra acutilância, à colação. A CDU, há muito, que propôs que, por exemplo, o 10 de Junho fosse comemorado em Alcobaça.



Aqui temos um conjunto de questões centrais que devem unir todos os alcobacenses, de forma a termos desenvolvimento estruturado e sustentável na nossa história, no nosso Património, fazendo do nosso concelho cada vez mais desenvolvido em todas as frentes, com a Cultura a cumprir o seu papel.

Pel’ A Coordenadora da CDU – Alcobaça
7julho2017
Clementina Henriques - 917 287 798
Rogério Raimundo – 966 938 402

Aqui poderão encontrar as linhas gerais da governação CDU e as medidas alternativas ao PSD:
 
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2017/02/35755fev201788-29-frentes.html
***
Foto de António Branco.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1062185343912932&set=pcb.1062185397246260&type=3&theater
Foto de Rogério Manuel Madeira Raimundo.
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10212122597971646&set=pcb.10212122599411682&type=3&theater
1jul
NOTA DE IMPRENSA SOBRE  ALCOBAÇA Terra d' arte e d' artistas...saudação especial à SFVestiarense e aos irmãos João e Inês Sousa
À Comunicação Social
Aos e às Alcobacenses


Nos últimos tempos (2017) a maioria PSD tem-se esmerado em atribuir medalhas aos atletas e clubes desportivos que se evidenciaram nas diferentes modalidades. Nós na CDU só reclamámos a realização de um evento anual para o desporto, que a Câmara começou a concretizar em 2015, com cooperação dos órgãos de comunicação social.
É injusto que para a Cultura e para outras frentes estratégicas do concelho, não tenha tido essa atenção, não relevando, anualmente as instituições e as pessoas extraordinárias que trabalham, muitas voluntárias, como no desporto, que se destacam, incentivando assim quem valoriza e prestigia Alcobaça. Há já eventos que estão em bom ritmo e que merecem muito mais apoio do município: Gravíssimo, Rabiscuits, Semana Internacional do Acordeão, Concurso Internacional de Música de Câmara, Ao Teatro, Semana das Marionetas…
Há muito que a CDU propõe um festival organizado pelo Movimento Associativo, uma semana das Colectividades, de 25 de abril a 1 de maio, apoiado pela Câmara, para evidenciar e dar a conhecer o trabalho dos voluntários das colectividades e instituições de todo o concelho e nomeadamente das 5 bandas Filarmónicas do concelho, tal como já se faz com os ranchos folclóricos (Festival concelhio e Mercado séc. XIX).
Só para exemplificar (no dia 1 de julho de 2017 houve dois acontecimentos importantes, em simultâneo, que merecem o relevo, por serem exemplares para a Terra d’ Arte e d’ Artistas, que a CDU defende há muitos anos, como condição para o desenvolvimento estratégico do nosso município.
Saudamos assim os maestros, os músicos e as instituições: Sociedade Filarmónica Vestiarense e a Academia de Música de Alcobaça. Saudamos especialmente os músicos que actuam habitualmente nas duas instituições, voluntariamente, e que neste dia, especial, tiveram que optar.
1.      A Sociedade Filarmónica Vestiarense, depois de ter ultrapassado duas eliminatórias, venceu a final do Festival de bandas Vianeza na Figueira da Foz. A novidade também esteve em que todo o Portugal pôde ver, com a RTP1 em directo, em serviço público…Mas não foi só a Banda a vencer…O prémio Jovem revelação, deste festival, também foi para a Vestiaria, com a extraordinária Carolina Rosa. A Vestiaria, todo o concelho, vibrou com este sucesso dos nossos d’ Alcobaça.
2.      O Cistermúsica inicia, na sala de visitas, em frente ao Mosteiro de Alcobaça, mais um Festival, o 25º, com inteiro agrado, apesar da noite fria. Perto de mil pessoas assistiram e vibraram naquela noite memorável. Um momento que os Alcobacenses merecem e precisam!
Neste fim-de-semana há mais exemplos para a Terra d’ Arte e d’ Artistas:
a)      João Sousa (da SFVestiarense, da Orquestra Ligeira do Bárrio) foi seleccionado para a Banda Sinfónica Portuguesa Junior.
b)      Inês Sousa foi PRIMEIRA no 6.° Concurso "Pequenos Grandes Talentos" 2017 (ela actua na Orquestra do Bárrio, na SFVESTIARENSE e estuda na Academia de Música de Alcobaça, no ensino articulado de música).

Pel’ A Coordenadora da CDU – Alcobaça
19junho2017
Clementina Henriques - 917 287 798
Rogério Raimundo – 966 938 402

Aqui poderão encontrar as linhas gerais da governação CDU e as medidas alternativas ao PSD:
 
http://uniralcobaca.blogspot.pt/2017/02/35755fev201788-29-frentes.html